Arquivo para Recife

Merda acontece, na vida real.

Posted in Uncategorized with tags , , , , , , on dezembro 20, 2010 by Milioitenta Blog

Depois de mais de um ano sem escrever por aqui, eu, Wic, volto a colaborar com o Milioitenta, com uma história trágica que aconteceu com a minha própria pessoa. Como um bom filho a casa torna (e nenhum espaço além da minha casa antiga vai publicar este meu relato) eu vou deixar de arrudeios e vou falar o que de fato aconteceu com o jornalista recém formado que vos escreve.

Bom, estava eu voltando do nosso ilustríssimo bairro do Recife Antigo no último sábado (18), depois de mais uma noite de desfrute dos pudores fúteis da juventude pernambucana (álcool, drogas e mulheres). Na minha companhia, estavam quatro amigos aqui do bairro – que nem vale falar o nome pra num dar crédito pra esses safados! – quando de repente, não mais que de repente, eu tive a abençoada idéia de ‘forçar a barra’ e soltar um pum (ou peido, como quiser) daqueles que só o dono sabe que vai ser beem fedorento. Mas não foi apenas isso que aconteceu, veja na reconstituição do diálogo:

Wic: -puuuuuuuuuuuum! :S

Amigo 1: – porra Wic, dispense… (tapando o nariz)

Amigo 2: – caralho, cagou-se! (rindo e chamando a atenção dos outros)

Wic: – ME CAGUEI, véi… puta MERDA!

Todos os amigos: – AHSiuHAISuhIAUSHiuAHISuAIUShiUAHsiuHAISUhIAUSHUAS…

(E se eternizaram no riso e nas piadas mal elaboradas, até o destino final do ônibus.)

Estávamos todos no Cais de Santa Rita, minutos antes de a nossa última condução pública nos apanhar (4h da matina) e eu não pensava em outra coisa a não ser em: putis, que merda! Não me lembrava de como era ruim estar ‘cagado’ e apesar de estar super lombrado e bêbado, a vergonha foi inevitável, por motivos óbvios.

Quando o ônibus chegou, eu saí correndo desembestado! Entrei, passei pela catraca e deixei minha mácula tomar conta do recinto… Meus muy amigos, aproveitaram, claro! Eu que nunca deixei uma brincadeira de mau gosto passar despercebida, agora era a bola da vez… Condenado a segurar meu sorriso super encardido, não mais do que a minha calça branca melada de caquinha nos fundilhos.

Não vou ser hipócrita! Fiquei e ainda fico ruborizado quando o assunto é esse… Oras, nem o fato de eu ter finalmente terminado a faculdade me rendeu tão grande e instantânea fama! Ligações no meio da noite de um cidadão gargalhando da minha cagada… Mensagens de texto que não param de chegar… O assédio dos fãs… Nossa! Se soubesse que cagando na roupa eu ia chamar tanta atenção assim… Se eu tivesse tantos leitores quantos são os fãs dos meus feitos históricos… Toda vez que eu escrever agora, vou chegar na galera deixando o endereço do blog.

Muitos se lamentaram/lamentam por não estarem presentes em mais um episódio hilário da minha nada discreta vida. Os que me conhecem, sabem da minha alcunha de ‘disaster boy’… Enquanto os que não conhecem ficam com medo! CUIDADO, eu posso cagar no seu colo… hehehehe… Enfim, fica a dica, pessoal: procurem não forçar a barra depois de uma noite de consumo exagerado de álcool e drogas, apesar de eu desconfiar bastante que o que me fez mal foi uma coxinha mal assombrada que eu devorei, assim que a noite começou. E sinceramente, estar cagado é ruim… Mas é até engraçado, no fim das contas.

DIVULGAÇÃO

Posted in Ctrl+Vê! with tags , , , , on agosto 9, 2009 by Milioitenta Blog

                                       PRA FRENTE PERNAMBUCO!!!

ClickRec

   A nova cara da cultura em Pernambuco, ClickRec. A definição do nome dessa marca, no site vocês verão. As pessoas que fazem parte dessa equipe, também aparece lá (não foi falado o significado e nem o nome das pessoas por um simples motivo, vá lá vê)!
Essa revista eletrônica tem como foco o nosso estado, porém o céu é o limite!
Portanto: Recife, Entretenimento e Cultura em apenas um Click!!!! ClickRec!!!

 

Por: Todos os Ratos do Milioitenta!!!

Deus me disse: “Eu não existo”!

Posted in Ctrl+Vê! with tags , , , , on maio 7, 2009 by Milioitenta Blog
Bem profunda essa tal "cura Divina"

Bem profunda essa tal "cura Divina"

Quem nunca perdeu noites de sono, zapeando pelos canais abertos da nossa – edificante e politicamente correta – televisão brasileira? Ou melhor; quem nunca se pegou assistindo aqueles canais, comprados pelas igrejas, que tem a programação entupida de engravatados que GRITAM em nome de Deus?
Pois bem… Pra quem não sabe, eles não se limitam às madrugadas televisivas. As histórias, que nascem com a maior criatividade do mundo, vão desde uma simples ressurreição, até a absurda existência de um ex-aidético. Todos esses são furtos do imaginário cristão, que de histórias absurdas, tem até um “homem sem língua, que fala”, em nome do Senhor, é claro.

E o mais engraçado de tudo é saber que: se está na TV, é porque tem gente que realmente assiste e se comove com aquilo. À primeira vista pode parecer piada, mas uma pesquisa divulgada recentemente, pelo Instituto Maurício de Nassau revela que, pelo menos no Recife, a população acredita mais na igreja do que na própria família.

De acordo com o levantamento, no ranking de instituições que o recifense deposita sua credibilidade, a igreja lidera disparada, com 22,5% da confiança dos entrevistados, enquanto a família amarga um ingrato segundo lugar, tendo apenas 9,4% da credibilidade. Em seguida aparecem a Polícia Militar (6,5%), o Governo (4,1%) e o Exército (3,6%) em uma lista em que até a Organização das Nações Unidas (ONU) é lembrada, com 0,5% dos votos, entre as instituições menos confiáveis.

Convenhamos que a Capital pernambucana não seja a única que sofre com este fenômeno, já que a Igreja do Kaká (leia-se Renascer em Cristo), por exemplo, recebe uma cifra de vários dígitos, provenientes do suor do craque do Millan (ITA). Ele não é o único, já que os donos da franquia, digo: donos da igreja, desfilam com um montão de dólares por aí, né? Mas quem não lembra do trágico episódio, onde dezenas de pessoas ficaram feridas (uma até morreu), com a queda do teto da igreja-matriz? Foi bem triste. A senhora que morreu, se me permitem a piada, não “renasceu”. E a roubalheira, digo: o pagamento de dízimos e indulgências continua, agora pra pagar um telhado novo.

É bem verdade que “sofrer” pode não ser o verbo correto para este tipo de situação, mas é fato que, do jeito que está, pressupõe-se que o Cara lá de cima ou é muito do sádico, e urina nas vestes celestiais (aquelas roupinhas de anjo, que mais parecem vestidos) de tanto rir das ignorâncias do homem, ou de fato nem existe, como Ele mesmo já me disse, por e-mail.

p.s.: quem quiser conferir a pesquisa do Instituto Maurício de Nassau, pode acessar o link. É de confiança!